Blog do Mauricio Stycer

“Amores Roubados” vale pelo caminho que aponta para a ficção da Globo

Mauricio Stycer

10/01/2014 05h01

amoresroubadosisiscaua

Em sonho, Leandro (Cauã Reymond) ouve Antonia (Isis Valverde) dizer: “É melhor você desistir. Você não vai fugir de mim”. Na sequência, ela bate à porta da casa dele e entra. “Você merece uma segunda chance”, ela diz, evocando o fracasso dele na primeira noite. “Bondade sua”, ele responde. “Tá com medo de mim?”, ela pergunta. “Que temperamento!”, ele exclama.

Com o lábio machucado, por uma mordida da amante Celeste (Dira Paes), Leandro encara Antonia e se afasta em direção ao banheiro. Da cozinha, sorridente, ela observa. Ele, de fato, parece estar com medo. Fecha a cortina que faz as vezes de porta do banheiro e volta a olhar o ferimento no lábio. Ao fundo toca “Angels”, da banda pop inglesa The XX.

A cena, exibida no terceiro capítulo de “Amores Roubados”, dura pouco mais de dois minutos e, como outras do seriado, impressiona. O diálogo está longe de ser óbvio. Entre as frases, há inúmeras pausas, nas quais a câmera explora o ambiente e, à distância, observa os personagens enquanto eles pensam. A iluminação é escura, mas bonita. Quase não há close nos rostos dos dois atores. A música surpreende.

amoresroubadosmouravillamarinExibidos os primeiros quatro (de dez) episódios da série, os elogios da crítica ao autor, George Moura, e ao diretor-geral, José Luiz Villamarin, são quase unânimes (a foto da dupla, ao lado, é do diretor de fotografia da série, Walter Carvalho). A audiência, ao redor dos 30 pontos, também sugere uma aprovação generosa do público.

Do que trata exatamente “Amores Roubados”? Vi gente fazendo essa pergunta no Twitter depois do segundo capítulo. E entendo até como uma qualidade da série levantar esta dúvida. É a história, contada a conta-gotas, de Leandro, o filho de uma prostituta, Carolina (Cássia Kis Magro), nascido em Sertão, crescido em São Paulo, que volta à cidade, à beira do rio São Francisco, para ganhar a vida como sommelier.

“Quem vive com medo não vive”, ele diz ao amigo, explicando o apetite incontrolável, quase suicida, que o leva a se envolver com as mulheres, Celeste e Isabel (Patricia Pillar), dos dois magnatas da cidade, os coronéis com embalagem moderna Cavalcanti (Osmar Prado) e Jaime (Murilo Benicio), além de Antonia, filha deste último.

amoresroubadosdiracauaAssim como em “O Canto da Sereia”, trabalho anterior de Villamarin-Moura, parte do apelo desta série junto ao público deve-se às cenas quentes, neste caso, protagonizadas pelo Dom Juan inconsequente e suas presas. Seria interessante ver um trabalho da dupla que apontasse em outra direção, num drama psicológico mais denso, por exemplo.

Em todo caso, a qualidade de “Amores Roubados” destoa significativamente da média da produção exibida na TV aberta brasileira, Globo incluída. O programa parece um exercício da emissora, a mostrar a sua capacidade de realizar também em alto nível.

“Amores Roubados” faz mais sentido diante dos anunciados planos da empresa de estimular o diálogo entre as produções dos seus canais na TV paga (GNT, Multishow etc) e na TV aberta bem como os projetos recentes de investimento na produção de séries para a internet. É um trabalho que deve ser compreendido, também, pelo futuro que aponta, pela importância cada vez maior de produzir alternativas à telenovela.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo