Topo
Blog do Mauricio Stycer

Blog do Mauricio Stycer

“Amores Roubados” vale pelo caminho que aponta para a ficção da Globo

Mauricio Stycer

10/01/2014 05h01

amoresroubadosisiscaua

Em sonho, Leandro (Cauã Reymond) ouve Antonia (Isis Valverde) dizer: "É melhor você desistir. Você não vai fugir de mim". Na sequência, ela bate à porta da casa dele e entra. "Você merece uma segunda chance", ela diz, evocando o fracasso dele na primeira noite. "Bondade sua", ele responde. "Tá com medo de mim?", ela pergunta. "Que temperamento!", ele exclama.

Com o lábio machucado, por uma mordida da amante Celeste (Dira Paes), Leandro encara Antonia e se afasta em direção ao banheiro. Da cozinha, sorridente, ela observa. Ele, de fato, parece estar com medo. Fecha a cortina que faz as vezes de porta do banheiro e volta a olhar o ferimento no lábio. Ao fundo toca "Angels", da banda pop inglesa The XX.

A cena, exibida no terceiro capítulo de "Amores Roubados", dura pouco mais de dois minutos e, como outras do seriado, impressiona. O diálogo está longe de ser óbvio. Entre as frases, há inúmeras pausas, nas quais a câmera explora o ambiente e, à distância, observa os personagens enquanto eles pensam. A iluminação é escura, mas bonita. Quase não há close nos rostos dos dois atores. A música surpreende.

amoresroubadosmouravillamarinExibidos os primeiros quatro (de dez) episódios da série, os elogios da crítica ao autor, George Moura, e ao diretor-geral, José Luiz Villamarin, são quase unânimes (a foto da dupla, ao lado, é do diretor de fotografia da série, Walter Carvalho). A audiência, ao redor dos 30 pontos, também sugere uma aprovação generosa do público.

Do que trata exatamente "Amores Roubados"? Vi gente fazendo essa pergunta no Twitter depois do segundo capítulo. E entendo até como uma qualidade da série levantar esta dúvida. É a história, contada a conta-gotas, de Leandro, o filho de uma prostituta, Carolina (Cássia Kis Magro), nascido em Sertão, crescido em São Paulo, que volta à cidade, à beira do rio São Francisco, para ganhar a vida como sommelier.

"Quem vive com medo não vive", ele diz ao amigo, explicando o apetite incontrolável, quase suicida, que o leva a se envolver com as mulheres, Celeste e Isabel (Patricia Pillar), dos dois magnatas da cidade, os coronéis com embalagem moderna Cavalcanti (Osmar Prado) e Jaime (Murilo Benicio), além de Antonia, filha deste último.

amoresroubadosdiracauaAssim como em "O Canto da Sereia", trabalho anterior de Villamarin-Moura, parte do apelo desta série junto ao público deve-se às cenas quentes, neste caso, protagonizadas pelo Dom Juan inconsequente e suas presas. Seria interessante ver um trabalho da dupla que apontasse em outra direção, num drama psicológico mais denso, por exemplo.

Em todo caso, a qualidade de "Amores Roubados" destoa significativamente da média da produção exibida na TV aberta brasileira, Globo incluída. O programa parece um exercício da emissora, a mostrar a sua capacidade de realizar também em alto nível.

"Amores Roubados" faz mais sentido diante dos anunciados planos da empresa de estimular o diálogo entre as produções dos seus canais na TV paga (GNT, Multishow etc) e na TV aberta bem como os projetos recentes de investimento na produção de séries para a internet. É um trabalho que deve ser compreendido, também, pelo futuro que aponta, pela importância cada vez maior de produzir alternativas à telenovela.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.