Blog do Mauricio Stycer

Brasil do sorteio parece peça de propaganda da Embratur

Mauricio Stycer

06/12/2013 21h21

A imagem que o Brasil mostrou ao mundo durante o sorteio das chaves da Copa do Mundo de 2014 não difere muito dos clipes de propaganda que a Embratur usa para atrair turistas estrangeiros ao país.

Do texto oficial, lido por Fernanda Lima e Rodrigo Hilbert, ao discurso de improviso da presidente Dilma Rousseff, das atrações musicais às imagens exibidas no telão, a cerimônia se construiu a base de clichês. Um atrás do outro.

“Somos um povo alegre e acolhedor. Uma terra de oportunidades”, disse a presidente. “Somos um povo gentil e hospitaleiro”, disse Fernanda. “Somos um só”, anunciou a Rede Globo, ao dar a partida na transmissão.

O nacionalismo exagerado não foi evitado na seleção musical, destinada a dar um panorama “típico”. Teve a batida “Brasil Pandeiro”, de Assis Valente, na voz de Alcione e Emicida (uma mistura ousada, pelo menos), “1 a 0”, de Pixinguinha, com Vanessa da Mata e Alexandre Pires, e “We Are Carnaval”, com Margareth Menezes e Olodum.

Ainda que milimetricamente roteirizada, a cerimônia não conseguiu evitar as gafes. A maior talvez tenha sido o “minuto de silêncio” em homenagem a Nelson Mandela, que durou 15 segundos.

A entrada em cena da mascote em tamanho natural, acompanhado de Marta e Bebeto, também foi um momento constrangedor. “Oi, Fuleco”, disse Fernanda Lima, antes de Rodrigo Hilbert pedir: “Fuleco, dá uma dançadinha aí”.

Pelé repetiu pela centésima vez a história do dia em que viu seu pai colado ao rádio chorando a derrota na Copa de 50. Depois fez o prognóstico: “Acho que o Brasil disputa a final”.

A transmissão da Globo ocorreu sem maiores problemas, salvo o incontrolável Galvão Bueno, que em três ocasiões falou ao mesmo tempo que os narradores oficiais, atrapalhando a compreensão do espectador.

Ao custo de R$ 26 milhões, a cerimônia de sorteio teve o mérito de prestar homenagens a grandes craques do passado. A presença de Alcides Ghiggia, autor do gol que deu a Copa de 50 ao Uruguai, foi talvez o momento mais emocionante.

Este texto foi publicado originalmente no UOL Copa, aqui.

Outros textos sobre o sorteio na TV
Repórter da Globo grita ‘Chupa, Galvão’ em transmissão ao vivo
Galvão ri após anúncio do grupo da morte no sorteio da Copa
Do Valle exalta União Soviética e “luta pela desigualdade” de Mandela

 

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo