Blog do Mauricio Stycer

Com cena irônica, “Amor à Vida” tenta fugir do rótulo de “novela mexicana”

Mauricio Stycer

04/12/2013 05h01

amoravidapilarjaques

Novela mexicana, no Brasil, é sinônimo de dramalhão, tramas rocambolescas, pouco compromisso com o realismo, heroínas que sofrem muito, vilãs terríveis, galãs mulherengos, atuações exageradas, dublagens mal-feitas e excesso de maquiagem. Quem assiste à programação vespertina do SBT tem uma ideia do que estou falando.

A novela no Brasil, em seus primórdios, tinha muitas destas características e, a partir dos anos 70, foi ganhando feição e traços próprios, depurando os exageros e aproximando o folhetim da realidade dos espectadores. Com conhecimento sobre o assunto ou por mera intuição, o noveleiro brasileiro aprendeu a diferenciar estes dois tipos de produção. Caracterizar uma situação de “dramalhão mexicano” se tornou uma espécie de ofensa por aqui.

walcyrvideoshow2Nos últimos meses, começaram a surgir críticas e reclamações sobre os excessos da trama de Walcyr Carrasco e uma nuvem estacionou sobre o Projac: seria “Amor à Vida” uma “novela mexicana”? A crítica tem sido feita por gente incomodada com os exageros, a falta de sutileza e as grosserias do texto, bem como com o excesso de situações dramáticas lançadas ao mesmo tempo e com algumas interpretações bem canastronas.

Algo me diz que o autor não está satisfeito com esta caracterização do seu trabalho. A ponto de, no capítulo de segunda-feira (02), Carrasco tentar fazer piada com a situação. Depois de mostrar Pilar (Susana Vieira) e Jacques (Julio Rocha) se beijando, houve o seguinte diálogo:

Jacques: A gente já está se conhecendo faz um tempo, Pilar. A gente tem que se conhecer melhor.
Pilar (rindo): Você já pensou em trabalhar numa novela mexicana?
Jacques (gargalhando): Por que você está me perguntando isso?
Pilar: Porque nas novelas mexicanas o galã chega perto da heroína e fala pra ela, do jeito que você falou, com os olhos profundamente sérios e olhando nela: ‘Precisamos nos conhecer melhor’. Não é assim?
Jacques: Você é demais. Eu te beijo e você leva na brincadeira assim.
Pilar: Isso é uma forma de dizer pra você que eu ainda não consigo levar você a sério.
Jacques: Me dá uma chance, Pilar.
Pilar: Eu adoraria te dar uma chance, mas eu ainda não me sinto livre o suficiente. Eu acho que ainda não consigo passar desse beijo. Além do que, por que um médico como você, jovem e charmoso, iria se interessar por uma mulher mais velha? Por quê?
Jacques: Eu sempre gostei de mulheres mais velhas. E você, você é muito especial Pilar.
Pilar: Então, eu agora vou fazer cara de atriz mexicana e vou responder pra você o seguinte: Me dá um tempo, por favor. Um pouco de paciência comigo, ta bom?

É interessante ver Carrasco refletir, no fundo, sobre o próprio absurdo de algumas situações que criou. Mas esta cena não alivia em nada a sensação de que “Amor à Vida”, como um todo, configura uma espécie de retrocesso na história da telenovela brasileira.

Leia também
Nilson Xavier Para garantir audiência, “Amor à Vida” usa barracos e humor popularesco

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo