Blog do Mauricio Stycer

As fantásticas histórias de Nilton Santos e Peralvo

Mauricio Stycer

01/12/2013 05h01

niltonovelhoeabolaAproveito que é domingo para falar de futebol e literatura, e recomendar dois ótimos livros lançados este ano.

“O Velho e a Bola” reúne 44 crônicas publicadas pelo jornalista Maneco Muller entre fevereiro e maio de 1963 no jornal “Última Hora”. O personagem principal dos textos, o “Velho” do título, é Nilton Santos, morto esta semana aos 88 anos.

Segundo o jornalista Rafael Casé, que resgatou e organizou este tesouro, os textos fariam parte de um livro de Maneco sobre Nilton, então próximo da aposentadoria. Samuel Wainer, dono do jornal, o convenceu a publicar em capítulos na “Última Hora”.

A história de Nilton Santos está contada corretamente, mas sem muita emoção, na sua autobiografia, “Minha Bola, Minha Vida”, publicada em 1998. “O Velho e a Bola” acrescenta sabor e estilo a esta história.

Manoel Bernardez Muller (1923-2005), o Maneco, foi um jornalista muito conhecido, especialmente no Rio. Em 1945, sob o pseudônimo de Jacinto de Thormes, começou a assinar no jornal “Diário Carioca” aquela que é considerada a primeira coluna social do jornalismo moderno no Brasil.

niltonsantos1958Como cronista esportivo, escreveu sobre futebol, em especial sobre o Botafogo, seu time de coração, e sobre Nilton, seu ídolo. Assim descreve o craque: “Ele detestava marcar adversários como um policial perseguindo criminosos. Gostava de jogar e deixar jogar. Tendo que inverter os papéis, isto é, passar de atacante a defensor, de perseguido a perseguidor, continuava a praticar futebol de classe, ao invés de simplesmente destruir, desmanchar, rebater como a maioria dos defensores fazia.”

“O Velho e a Bola” reconstitui a trajetória de Nilton Santos desde a sua chegada ao Botafogo, em 1948, até 1963, quando o Velho é homenageado no Maracanã por torcedores de todos os times cariocas pelos “seus 15 anos de futebol arte”.

As crônicas selecionadas por Casé mostram em detalhes as passagens de Nilton pela seleção – as quatro Copas em que participou. Reserva em 1950, expulso no fatídico jogo em que o Brasil perdeu da Hungria por 4 a 2, em 1954, um dos líderes em 1958, sagrado a Enciclopédia do Futebol em 1962.

Maneco tem estilo e humor. Provavelmente exagera em várias passagens, enfatizando lendas sobre Nilton e a sua brilhante geração, mas nunca perde a dimensão humana, mostrando do que eram feitos aqueles craques. Para quem gosta de futebol, é um livro que se lê com lágrimas nos olhos.

odriblecapa2“O Drible”, segundo romance de Sérgio Rodrigues, gira em torno da relação entre um pai, à beira da morte, e seu único filho, tendo como pano de fundo o futebol e o jornalismo esportivo carioca dos anos 60 e 70.

Murilo Filho, o cronista esportivo, vai se recordar de sua trajetória ao longo do livro. Torcedor do América, chega ao Rio em 1960 e vai trabalhar no “Jornal dos Sports”, comandado pelo lendário Mário Filho, irmão de Nelson Rodrigues, que também escrevia no jornal.

Peralvo é da mesma cidade de Murilo, Merequendu, e chega à cidade dois anos depois para jogar justamente no América. O garoto é craque e, com a ajuda das empolgadas reportagens de Murilo, logo é comparado a Pelé. A história de por que não jogou a Copa é um dos mistérios do romance, que Rodrigues vai desenvolver com enorme maestria.

niltonsantospeleDiante do filho, décadas depois, Murilo tenta explicar que o futebol pode até espelhar a vida, mas nunca o contrário. Numa passagem, ele exibe um trecho da partida entre Brasil e França, semifinal da Copa de 1958, na Suécia. O vídeo contém dez minutos do jogo, entre os 18 e os 28 do primeiro tempo.

A partida já estava 1 a 1 e nada acontece neste pedaço. Ao contrário, é uma pelada, cheia de lances errados, em que craques como Nilton Santos, Didi, Garrincha e Pelé jogam como pernas de pau (a partida terminou 5 a 2 para o Brasil). Depois de ver este trecho do jogo, Neto, filho de Murilo, pergunta: “E por que você escolheu o pior pedaço para me mostrar?” O pai responde: “Não é o pior pedaço. É a vida. O jogo normal. Futebol é assim: o caos”.

Em tempo: As duas imagens deste texto foram reproduzidas do livro “Minha Bola, Minha Vida”, a autobiografia de Nilton Santos. Na primeira, pertencente ao Arquivo do Botafogo, ele aparece ao lado de Garrincha, Didi e Zagallo depois da Copa de 1958. Na segunda, ele é abraçado por Pelé após a conquista da Copa na Suécia (foto do ‘Jornal dos Sports’, acervo Nilton Santos). O livro está esgotado, mas é facilmente encontrado em sebos. Os outros dois livros —  “O Velho e a Bola”, de Maneco Muller, organizado por Rafael Casé (Maquinária, 160 págs., R$ 36), e “O Drible”, de Sérgio Rodrigues (Companhia das Letras, 220 págs., R$ 38) — são encontrados em livrarias.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo