Blog do Mauricio Stycer

João Kleber recicla 'Teste de Fidelidade' e copia 'Casos de Família' na manhã da RedeTV!

Mauricio Stycer

09/04/2013 10h58

Atrás da TV Cultura no ranking de audiência em 2012, a RedeTV! resolveu apostar em João Kleber para tentar levantar o Ibope em 2013. Principal atração da grade noturna aos sábados e domingos, com o “Teste de Fidelidade”, o comediante passa agora a ocupar uma faixa de 150 minutos, das 9h30 às 12h, de segunda a sexta, com “Você na TV”.

Na estreia, o programa alcançou o seu objetivo primordial. Tirou a audiência da emissora do patamar de 0,4, que havia marcado uma semana antes, e chegou a 1,7 – um aumento de quatro vezes. Nesta terça-feira, segundo dia, quase metade do público desistiu de “Você na TV”. Os dados preliminares indicam que a audiência de João Kleber ficou em 0,9.

O novo matinal da RedeTV!, infelizmente, não apresentou nada de novo em sua estreia. Nem mesmo João Kleber constitui uma novidade, já que passou uma parte considerável do programa revivendo o seu “Teste de Fidelidade” em uma versão “light”, num quadro chamado “Amigo Inimigo”.

“Você acha que seu amigo é amigo de verdade? Será que a amizade das amigas passa pela prova da verdade?”, lançou João. Com a ajuda de câmeras escondidas, uma dançarina de forró assistiu uma colega sua ser tentada, por meio de mentiras contadas por um produtor, a trair a sua confiança.

João adaptou até o bordão do “Teste de Fidelidade”. Em vez do “Para! Para! Para!”, gritou, “Para aí! Para aí!”. E prometeu, com sua verve típica: “Esse quadro, indiscutivelmente, vai ser um dos maiores sucessos da TV não só nacional como mundial”.

Outro pedaço do programa foi dedicado a um barraco no palco protagonizado por vizinhas. “Vou tacar gasolina na casa dela”, ameaça uma participante. “Ela é louca, é cachaceira”, responde a outra. “Que loucura”, diz João Kleber. “Qual será o problema entre as vizinhas? Deve ter algum motivo”, sublinha. Tal como no “Casos de Família”, do SBT, a baixaria alegra a plateia, que grita.”Porrada! Porrada!”.

O terceiro bloco do programa foi dedicado a um quadro “romântico”. Apresentado como publicitário, um sujeito foi ao auditório contar que encontrou uma moça apenas duas vezes, apaixonou-se, mas perdeu o telefone dela.

“Vou dar minha palavra de honra: Essa história do Gabriel é uma história i-na-cre-di-tá-vel. Não é uma surpresinha, não. É uma surpresona”, disse João. Lógico que a produção encontrou a moça. Na verdade, eram irmãs gêmeas e chegaram, vestidas de noiva, em uma limusine.

Foram duas horas e meia sem um único intervalo comercial e seis breves ações de merchandising. Um programa interminável.

Uma primeira versão deste texto, sem os dados de audiência, foi publicada originalmente aqui.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo