Topo
Blog do Mauricio Stycer

Blog do Mauricio Stycer

“Pânico” esconde panicats, ressuscita Silvio, apresenta novas paródias, mas não levanta a audiência

Mauricio Stycer

18/02/2013 11h50

Depois de um final de ano decepcionante, tanto em matéria de criatividade quanto de Ibope, o "Pânico" voltou neste domingo, ao vivo, com notável disposição. O programa estreou sua segunda temporada na Band repleto de novidades e quadros inéditos, além das provocações e pegadinhas que fazem a alegria de sua jovem audiência.

A primeira surpresa foi a aparição do personagem Silvio Santos, interpretado por Wellington Muniz, o Ceará, ao longo de anos. Proibido por decisão judicial  de fazer a imitação em junho de 2012, o "Pânico" promoveu, na época, de forma inteligente, o "enterro" do personagem. Neste domingo, favorecido por uma decisão judicial, além de Ceará, Emilio Surita, Marvio Lucio, Eduardo Sterblitch e Guilherme Santana apareceram no palco caracterizados como o dono do SBT.

Duas novas – e promissoras – imitações foram apresentadas. Na primeira, "A Turma do Didi Maiscedo", Carioca faz uma sátira a Edir Macedo e ao programa "Fala que Eu Te Escuto", mas com a ambição, me parece, de ir além e falar do que hoje é um gênero na TV, os programas evangélicos exibidos durante a madrugada. Para dar mais realismo à imitação, e se livrar de uma incômoda proteção de látex, Carioca raspou a cabeça para viver o personagem.

Já com "Ixxxkenta", o "Pânico" volta a dar a Ceará um personagem importante no programa. O humorista encarna "Regina Ralé". Pelo pouco que se viu, a imitação do programa de auditório da Globo vai produzir boas piadas.

Tanto quanto as novidades, chamou a atenção a ausência das "panicats" na estreia. Onipresentes nos últimos anos, as assistentes de palco desapareceram sem explicação, no que parece mais um golpe de publicidade, destinado a promover a atração nos próximos dias.

O namoro da panicat Babi Rossi com Olin Batista, filho do bilionário Eike Batista, inspirou a sátira "Panicats Ricas", na qual os personagens foram chamados de Colinho e Mike.

A julgar pelos índices de audiências da estreia, o programa não conseguiu recuperar a audiência perdida nos últimos meses. O "Pânico" deixou a Band em quarto lugar no período em que foi exibido, com média de 6,1 pontos (pico de 8), atrás da Globo,  SBT e Record. Ao estrear na emissora, em abril de 2012, o programa alcançou média de 11 pontos e picos de 14.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Es portivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Newsletters

Mauricio Stycer traz análises exclusivas sobre TV e Famosos.

Quero receber