Blog do Mauricio Stycer

João Kleber rouba a cena no Carnaval com a volta do seu “teatro da fidelidade”

Mauricio Stycer

10/02/2013 03h09

Passistas seminuas, entrevistadoras abusadas, repórteres engraçados, situações absurdas… A RedeTV! tentou de tudo, como sempre, na sua cobertura de Carnaval, mas quase nada funcionou. Até que um velho conhecido do público, afastado havia oito anos, reapareceu com a sua arma mais letal – e a audiência subiu.

Estamos falando do humorista João Kleber e do seu mal afamado “Teste de Fidelidade”.  Já passava da uma da manhã de sábado quando ele apareceu prometendo “pela primeira vez no mundo” exibir o quadro ao vivo.

Teatral, aos berros, insistindo que não estava encenando nada, João Kleber trouxe uma mulher disposta a ver se o marido seria fiel durante um trabalho no Carnaval. Com a ajuda de câmeras escondidas, ela viu o sujeito se apresentar para trabalhar como segurança de uma “empresária”, mas logo ser seduzido por ela e pela amiga.

Ao final, ao vivo, João promoveu o encontro do casal. A mulher tentou agredir o marido, até que o apresentador explicou que tudo havia sido uma encenação da parte do homem, que sabia da intenção da mulher. Eles então se beijaram e trocaram juras de amor.

O “Teste de Fidelidade” é, na verdade, um “Teatro da Fidelidade”, mas o seu efeito junto ao público continua eficaz.  João Kleber recorre aos mesmos truques e efeitos (“para, para, para!!!”, ou “você tem certeza que quer continuar vendo?”) que magnetizavam a audiência no passado.

As frases exibidas na tela, que dramatizam a situação num crescendo, dão uma ideia do grau de exposição ao ridículo do casal: “Homem esconde da mulher que fará segurança de uma gostosa”; “Homem diz que sua esposa é baixinha e gordinha, e mulher vê tudo”; “Homem não tira os olhos dos seios da atriz e mulher vê tudo”; “Você não imagina o que vai acontecer com o marido dessa mulher”.

O espetáculo, pouco edificante, tornou-o famoso na década passada e foi responsável por tirar a RedeTV! do ar por 24 horas, em 2005, suspensa pela Justiça. Está de volta agora num momento em que a emissora enfrenta um de seus piores momentos. Parece o casamento perfeito.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo