PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

Oprah mostra mais uma vez que bom entrevistador não é polícia nem juiz

Mauricio Stycer

18/01/2013 12h23

Oprah Winfrey está no ramo há quase 30 anos. O seu "The Oprah Winfrey Show" ficou no ar por um quarto de século, antes de a apresentadora partir para a aventura do próprio canal de televisão em 2011.

Associado ao grupo Discovery, o Oprah Winfrey Network (OWN) ainda não alcançou o sucesso imaginado. A primeira parte da entrevista exclusiva com o ciclista Lance Armstrong, exibida na noite de quinta-feira (17), foi responsável pela maior audiência da curta história do canal até hoje.

A entrevista, originalmente, seria exibida em um único programa, mas a conversa de Armstrong com Oprah durou mais de duas horas e rendeu material para um programa mais longo. A segunda parte será exibida hoje à noite.

Ainda que Armstrong tenha deixado várias questões sem respostas completas, a sua disposição em falar abertamente do doping transformou esta entrevista num evento de repercussão mundial.

Oprah cumpriu o seu papel com glória, como de hábito. Para quem se surpreendeu com a qualidade da entrevista, é preciso dizer que ela apenas fez o que se espera numa situação destas.

Preparou-se cuidadosamente para a entrevista. Leu previamente tudo que havia a respeito, viu outras entrevistas relacionadas, estudou o assunto. Segura, mas sem arrogância, exibiu domínio completo sobre Armstrong.

Alternou perguntas bem objetivas, que exigiam "sim" ou "não" como resposta, com questões mais abertas, nas quais Armstrong se viu obrigado a descrever procedimentos ilegais que adotou.

Para alguns críticos, Oprah pegou leve com Armstrong, deixando de pressioná-lo em momentos importantes. Ao confessar o que já era mais ou menos sabido, o ciclista prepara o caminho para a sua redenção.

Não vejo dessa forma. Entrevistador não é polícia. Oprah fez o seu trabalho muito bem. Do seu jeito, conseguiu expor as contradições e omissões do ciclista em sua "confissão", mas sem julgá-lo.

Leia mais: Um relato detalhado da entrevista está  aqui. E também: Oprah afirma que entrevista foi a mais importante que já fez.

Atualizado às 20h: Sem explicar o motivo, o Discovery informa que a segunda parte da entrevista de Oprah com Armstrong só será exibida no sábado (19), às 22h20, e não simultaneamente à apresentação na TV americana, hoje (18) à noite. A primeira parte foi transmitida de forma simultânea. Trata-se de um desrespeito com o espectador brasileiro.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.