PUBLICIDADE
Topo

Danilo Gentili acusa Bruno Mazzeo de “roubar” suas piadas

Mauricio Stycer

13/07/2012 02h36

Um novo round da briga que opõe, de um lado, o carioca Bruno Mazzeo, e de outro, humoristas do stand up de São Paulo, ocorreu na madrugada de sexta-feira, no programa "Agora É Tarde", comandado por Danilo Gentili, na Band.

No quadro "Mesa Vermelha", Mazzeo foi castigado durante cinco minutos por piadas, insinuações maldosas e acusações de Gentili, Rogério Morgado, Patrick Maia e Murilo Couto.

O ataque foi uma "resposta" à polêmica entrevista que Mazzeo deu ao jornal "O Globo", no domingo (8/7), na qual diz que Rafinha Bastos ainda não fez "nada" em matéria de humor e que o Twitter não é utilizado por "pessoas inteligentes".

"Sabe por que ele não gosta do stand up?", perguntou Couto. "Ele foi no show, roubou as piadas, botou no filme… O filme foi uma bosta, a culpa é nossa". Ao que Gentili acrescentou: "É por isso que ele me odeia. Pegou minhas piadas de avião, roubou, colocou no "Junto e Misturado" e a série foi cancelada."

As críticas de Mazzeo ao Twitter também produziram comentários no "Agora É Tarde". "O pessoal do Twitter é burro. Acha que o Mazzeo é humorista", disse Morgado. "Ele disse que está tentando sair do Twitter há três anos. Tudo bem. Entrar no Twitter é coisa de burro. Não conseguir sair é coisa de retardado", disse Maia.

Num trecho da entrevista, Mazzeo diz: "Não dá para ficar nesse papo vaselina. Até pela minha criação e pelos meus ídolos. Eu cresci vendo Renato Russo. Mesmo os caras como o Lulu Santos, que falavam de amor, não fugiam do pau, sabe? Eu até tento me policiar um pouco para não ficar com opinião demais, mas às vezes não tem jeito."

Gentili ironizou: "Parabéns, Mazzeo, por assumir que você, como o Renato Russo, não foge do pau." Couto citou o filme mais recente do humorista, "E Aí… Comeu?", para prosseguir na insinuação: "Mas ele é bom ator, muito bom ator. No filme dele até beijou mulher". Ao que Gentili, com a sutileza habitual, completou: "O filme dele, 'E Ai… Comeu?', a sequência vai chamar 'Não, Preferi Dar'."

Briga de humorista, como se vê, não costuma ter graça.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Mauricio Stycer