PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

Titãs, 1986: “As oito cabeças do dinossauro”

Mauricio Stycer

08/03/2012 14h43

Na sexta-feira, 19 de setembro de 1986, quando os Titãs apresentaram pela primeira vez no Rio, no Morro da Urca, o show "Cabeça Dinossauro", eu era repórter do "Caderno B" do "Jornal do Brasil". Tinha 25 anos, idade semelhante à dos músicos, que tinham entre 23 (Nando Reis) e 27 (Paulo Miklos).

Em uma reportagem que ocupou a última página do suplemento, "Titãs em ritual no Morro", relatei que o espetáculo incluía 19 canções – doze do disco lançado naquele ano (não tocavam no show "A Face do destruidor"), mais "Querem Meu Sangue", "Televisão", "Autonomia", "Massacre", "Pavimentação", "Dona Nenê" e a então inédita "Corações e Mentes".

"'Cabeça Dinossauro' é o show que capta o nosso amadurecimento artístico e é o mais fechado e claro que a gente já fez. Tudo lá tem sentido", dizia Arnaldo Antunes, no texto. Na hora de tocar "Igreja", Arnaldo saía de cena. "É preciso acreditar no que está sendo cantado e eu, embora não seja católico, não sou ateu".

Um grande quadro, intitulado "As oito cabeças do dinossauro", acompanhava a reportagem. Pedi aos oito músicos que falassem quais eram seus "sonhos", "pesadelos", "heróis", hobbies" e "manias".

Lidas hoje, 25 anos depois, as respostas são muito interessantes.

Sergio Brito Sonho: Casar e ter filhos; Pesadelo: Ficar cego, surdo, mudo e paralítico; Herói: James Brown; Hobby: Ler; Mania: Nenhuma.

Arnaldo Antunes Sonho: Respirar debaixo d´água; Pesadelo: A lei da gravidade; Herói: O sem-nome; Hobby: Inspirar; Mania: Expirar.

Chrles Gavin Sonho: Conhecer pessoalmente Siouxsie Sioux e ficar uma boa parte da vida fora do Brasil; Pesadelo: Parar de tocar;  Herói: Aos 10 anos, Zorro; aos 14, Rivellino; aos 18, Rei Arthur; agora, Stewart Copeland; Hobby: Mar, fotografia, cavalos; Mania: Ouvir muitos discos e ficar acordado até de manhã lendo.

Tony Bellotto Sonho: Voar; Pesadelo: Polícia; Herói: Jimi Hendrix; Hobby: Assistir TV; Mania: Tocar guitarra.

Paulo Miklos Sonho: A carreira; Pesadelo: Pobreza de espírito; Herói: Ornette Colemann; Hobby: Minha casa e meu cão; Mania: Minha família.

Branco Mello Sonho: Alucinógenos; Pesadelo: Avião; Herói: Hitchcock, Alfred; Hobby: Nada especial; Mania: Poucas e boas.

Nando Reis Sonho: Ser um cientista. Ficar seis meses na Antártida no inverno. Estudar o Himalaia. Ter um tipo de pensamento científico; Pesadelo: Ficar paralítico, perder os movimentos. Ficar cego e morrer sufocado; Herói: Raskolnikov e Tintim; Hobby: Malacologia (estudo de caramujos); Mania: Sapatos com cadarço.

Marcelo Fromer Sonho: Não lembro; Pesadelo: Não; Herói: Não tenho; Hobby: Não sei; Mania: Não dormir.

Em tempo: os quatro remanescentes do octeto original (Britto, Bellotto, Branco e Miklos) se reúnem nesta quinta-feira, no Sesc Belenzinho, em São Paulo, para comemorar os 30 anos da banda e refazer o repertório de "Cabeça Dinossauro". Serão sete apresentações, todas com ingressos já esgotados. O crítico Daniel Benevides comenta o disco no texto Emblemático "Cabeça Dinossauro" dos Titãs é desabafo primal do adolescente médio.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.