Blog do Mauricio Stycer

Haja “DR”!: “A Vida da Gente” e a arte de “discutir relação”

Mauricio Stycer

15/02/2012 10h37

Brinquei no Twitter na terça-feira que “A Vida da Gente” deveria ser patrocinada por alguma organização de psicanalistas ou uma faculdade de psicologia. “Haja DR!”, escrevi.

Desde o início, diariamente, em todo capítulo, diferentes personagens discutem suas relações em conversas cara a cara. É uma novela com pouquíssima ação, mas intensamente falada.

Diferentes personagens da trama já recorreram a terapeutas e o texto de Licia Manzo com frequência utiliza termos típicos das conversas em divã.

Nesta terça-feira, foi ao ar a mais importante “DR” de “A Vida da Gente”: a discussão da relação entre Manu e Ana, as irmãs protagonistas da trama. Publiquei o texto abaixo no UOL Televisão.

Na mais esperada ‘DR’ em ‘A Vida da Gente’, Manu mostra que a irmã não pode se casar

Não foi a última, mas possivelmente era mais esperada “DR” (discussão de relação”) de “A Vida da Gente”. Numa cena de oito minutos, as irmãs Ana (Fernanda Vasconcelos) e Manuela (Marjorie Estiano) tentaram colocar em pratos limpos uma divergência essencial da trama: o amor de ambas pelo meio-irmão Rodrigo (Rafael Cardoso).

Até o final da novela, em 2 de março, as duas irmãs ainda devem voltar a se encontrar no esforço de colocar em pratos limpos o impasse que provocou mais discussões entre o público que acompanha a trama.

Ana amava Rodrigo, engravidou dele, mas entrou em coma e ficou anos em estado vegetativo. Neste meio tempo, Julia nasceu, Manu se apaixonou por Rodrigo e os dois criaram a menina. Ana voltou do coma e, junto, reviveu seu amor por Rodrigo. Julia ficou com duas mães. Manu se separou e Ana, culpada, rejeitou o amado.

Na esperada DR das duas irmãs, Manu saiu-se melhor. Conseguiu demonstrar que a irmã ainda ama Rodrigo, apesar de estar às vésperas de se casar com Lucio (Thiago Lacerda). Ana deixou a casa da irmã desorientada com o encontro.

Foi uma ótima cena, numa novela que prima por um texto de muita qualidade. Licia Manzo, a autora, frequentemente recorre a termos sofisticados nos diálogos que escreve, incluindo reflexões de caráter psicológico, e raramente recorre a clichês. “De boas intenções o inferno está cheio”, disse Manu a certa altura, numa exceção que confirma a regra. Aguardemos a próxima DR entre as irmãs.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo