Blog do Mauricio Stycer

Afinal, o que queremos da televisão?

Mauricio Stycer

12/11/2010 12h48

Com a exibição simultânea das séries “As Cariocas” e “Afinal, o que Querem as Mulheres?”, a Globo oferece uma oportunidade interessante de refletir sobre os caminhos possíveis da televisão comercial brasileira. Com temas muito semelhantes, e abordagens radicalmente distintas, as duas comédias convidam o espectador a pensar sobre, afinal, o que queremos da televisão?

Num caminho muito distinto da leveza e do apelo fácil do programa dirigido por Daniel Filho, Luiz Fernando Carvalho sugere um olhar muito mais sofisticado – e difícil – sobre o universo feminino e os seus consagrados clichês.

Os programas de Carvalho (“Os Maias”, “Hoje É Dia de Maria”,  “A Pedra do Reino”) são frequentemente classificados como herméticos, pouco palatáveis para o universo da televisão. Seus críticos costumam expor os números da audiência, normalmente abaixo da média, para comprovar a tese que o trabalho do diretor não cabe numa emissora comercial.

Tenho a impressão, ao contrário, que Carvalho ajuda a mostrar ao público que é possível olhar para a TV de outras maneiras que as consagradas pelo senso comum. Não é uma imposição, mas um convite – não à toa, o programa é exibido em horário tardio, às 23h30.

No primeiro episódio de “Afinal, o que Querem as Mulheres?”, somos apresentados ao protagonista, um estudante de psicologia, Andre, dedicado a escrever uma tese em resposta à questão enunciada no título. Atormentado com o trabalho, vê o seu psicanalista virar Freud e não nota que sua namorada está carente de atenção.

Trabalhando com clichês sobre clichês, Luiz Fernando Carvalho extrai humor de um elenco afiado – Michel Melamed, no papel principal, e Paola Oliveira, a artista plástica Lívia, namorada do estudante. Direção de atores, iluminação, enquadramento de câmeras, roteiro (com participação dos escritores João Paulo Cuenca e Cecília Giannetti) – tudo conspira contra o realismo a que estamos habituados na telinha e nos propõe uma nova aventura.

É provável que o fã de “As Cariocas” prefira ver Paola Oliveira como “A Atormentada da Tijuca” do que como Lívia, em “Afinal, o que Querem as Mulheres?”. Mas é louvável que o espectador tenha a opção, se quiser, e na mesma emissora, de se divertir de outra forma.

Em tempo: Mais informações sobre o programa podem ser lidas aqui, no UOL Televisão.

Atualizado às 15h37: Como eu imaginava, a nova série teve média de 12 pontos no Ibope ante 16 do reality-show  “A Fazenda”, carro-chefe da Record. Mais informações aqui.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo