Blog do Mauricio Stycer

A quem interessa a “vida real” de uma patricinha milionária?

Mauricio Stycer

06/10/2010 11h29

Lolita Pille fez sucesso mundial com a publicação de “Hell”, livro narrado na primeira pessoa, ao longo do qual a autora descreve a rotina de noitadas regadas a vodca, cocaína e sexo de jovens milionários parisienses. Debochada e desbocada, a narradora de “Hell” se apresenta como “uma putinha do 16eme”, o bairro rico de Paris.

Como outros relatos do gênero, o sucesso de “Hell” deve-se muito à sugestão de que o livro conta experiências da própria autora e de seu círculo de amigos. Lolita tinha 21 anos quando o lançou (publicado no Brasil pela Intrínseca), em 2003.

Por mais postiço que possa resultar, a proposta de relatar “a vida real” exerce grande fascínio, especialmente quando oferece ao público a possibilidade de contemplação de universos que ele desconhece – pode ser tanto a miséria em uma favela no Capão Redondo quanto o bas-fond de uma boate nos Champs-Élysées.

Como outros produtos da indústria cultural, o sucesso de relatos baseados na “vida real” de patricinhas endinheiradas e entediadas acabou gerando uma onda de livros semelhantes, além de filmes, novelas e séries de tevê. A suposta vida fútil das riquinhas de Nova York, Paris, Tóquio e São Paulo está hoje ao alcance de todos, para deleite, inveja e desprezo de quem consome “Hell”, “Gossip Girl” e tantos outros produtos do gênero.

A estreia de uma adaptação teatral de “Hell”, em São Paulo, aposta nesta onda e em algo mais. Realizada por Hector Babenco e Marco Antonio Braz, com direção do primeiro, a transposição do texto de Lolita Pille para a cena aberta tenta explorar justamente a literalidade da fala da autora-personagem, oferecendo ao espectador a possibilidade de ver/ouvir a “verdadeira” voz de “uma putinha do 16eme”.

Além disso, a montagem é uma oportunidade para Barbara Paz mostrar que seu talento não se restringe, muito pelo contrário, a papéis chapados na televisão. A atriz se sai bem na tarefa, interpretando o quase monólogo na velocidade da vida trepidante da personagem.

O grande problema é que já estamos de tal forma bombardeados por “histórias reais” semelhantes que é difícil manter o foco em “Hell”. Parece estranho que um texto com poucos anos de vida já soe tão velho e batido, mas é o que acontece, apesar dos cuidados da boa montagem.

“Hell” pode ser visto de quinta a domingo, às 20h, até 19 de dezembro, no Teatro do Sesi (av. Paulista, 1.313, tel. 11 3146-7405).

Foto: Divulgação

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo