Blog do Mauricio Stycer

Arquivo : f-1

Método Galvão Bueno de narração proíbe mentir, mas aceita exagero e omissão
Comentários Comente

Mauricio Stycer

galvaobueno1Há anos, Galvão Bueno vem repetindo a mesma definição sobre o seu método de trabalho. “Sou um vendedor de emoções”, explica a quem dá a honra de entrevistá-lo. O que isso quer dizer exatamente? Na conversa que teve com o comentarista Bob Faria, incluída no livro “Grito de Gol”, ele esclarece:

“Não adianta eu me esgoelar e dizer ‘que maravilha!!!’ se o jogo não presta. Mas também não posso dizer que o jogo não presta porque não posso convidar o telespectador a desligar a televisão”.

Ou seja, Galvão entende claramente que não pode mentir para o espectador, mas admite que a omissão é uma ferramenta de trabalho. No mesmo livro, o narrador desenvolve a ideia:

“Onde é que você arranja energia para manter o cara ligado duas horas? No fim das contas, você é um chef de cozinha. Está faltando um pouco mais de pimenta, você vai colocar pimenta; está faltando um pouco de sal, você vai colocar sal; a comida está fria, você dá uma aquecida nela”.

Não chega a surpreender, por isso, um comentário feito por Galvão antes de começar uma transmissão de Fórmula 1 neste final de semana e vazado ao público sem que ele soubesse que era ouvido “Não vamos especificar tempo, porque na verdade ele está tomando meio segundo desde ontem”.

Quem acompanha F-1 entendeu na hora que era uma referência ao piloto brasileiro Felipe Massa, cujos resultados nas sessões anteriores de treino para o GP da Hungria o deixaram atrás do seu companheiro de Williams, o finlandês Valtteri Bottas, por uma diferença em torno, justamente, de meio segundo.

A orientação do narrador à equipe, portanto, era para não enfatizar a distância, grande para os padrões de F-1, que separava o brasileiro do finlandês. “Vendedor de emoções”, Galvão deve ter entendido que essa informação poderia desanimar o espectador brasileiro.

Massa largou em sexto lugar e chegou em quinto no GP. Bottas, que saiu em terceiro, chegou em oitavo. Um resultado não mais que razoável, mas festejado com muita emoção pelo vendedor Galvão. É o Brasil na F-1.


Troféu Sinceridade – Barrichello pede à Globo: “Mostra eu de vez em quando”
Comentários Comente

Mauricio Stycer

Rubens Barrichello acertou esta semana sua participação na F-Indy. Depois da entrevista coletiva em que anunciou detalhes da nova fase de sua carreira, o piloto apareceu ao vivo no “Globo Esporte”. Entrevistado por Bruno Laurence, também conversou com Tiago Leifert, que estava no estúdio. Ao final da conversa, ocorreu um inesperado diálogo:

Barrichello: “Não me deixa, não. Mostra eu (sic) de vez em quando.”
Leifert: “Pode deixar. A gente não tem os direitos de transmissão da F-Indy, mas vamos fazer o possível para mostrar as suas vitórias. Você vai ser campeão desse negócio. É nóis!”

Em maio de 2011, em entrevista à revista “GQ”, Leifert foi mais duro ao falar sobre o mesmo assunto:

GQ: “Você disse num evento: ‘Esqueça o romantismo nos esportes, é tudo negócio. As pessoas vendem os direitos’. É isso mesmo?
Tiago Leifert:  “É verdade. Na hora de conversar sobre direitos esportivos a gente tem que perder o romantismo. Eu sou muito cobrado: ‘Por que você não fala de Fórmula Indy?’ Simples: porque eu não tenho o direito de falar de Fórmula Indy, meu amigo! Existe uma ideia errada de que a Globo tem que falar de tudo porque o cara quer ver tudo na Globo. Meu amigo, muda de canal pra ver a sua notícia! Não tem Fórmula Indy na Globo, não vai ter Pan-Americano na Globo, não vai ter Olimpíada na Globo! Essa cobrança é puro romantismo! A gente tem que perder essa mania de achar que tudo é uma força do mal. Não é isso, é negócio. Quem paga mais leva e quem leva exibe”.

Será que Barrichello vai aparecer na Globo em 2012? Vamos acompanhar…


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>