Blog do Mauricio Stycer

Novela é um gênero imutável? Precisa mesmo ser previsível?

Mauricio Stycer


Quem assiste “Novo Mundo” desde o início, em 22 de março, sabia ou tinha como intuir que o amor entre Joaquim (Chay Suede) e Anna (Isabelle Drummond) sofreria um baque, em algum momento da história, com a revelação de que o mocinho era casado com Elvira (Ingrid Guimarães).

E quando a atriz portuguesa se afeiçoou pelo bebê, órfão de pai e mãe, deixado na taverna de Germana (Vivianne Pasmanter) e Licurgo (Guilherme Piva), foi fácil imaginar que Elvira, em algum momento, atribuiria a paternidade da criança a Joaquim.

Com a ajuda do vilão Thomas (Gabriel Braga Nunes), estes dois fatos ocorreram, finalmente, no 25º capítulo de “Novo Mundo”, exibido nesta quarta-feira (19). E não surpreenderam ninguém. A partir de agora, vamos acompanhar as peripécias de Joaquim para provar a Anna que foi enganado por Elvira e torcer para que ele descubra que não é pai da criança, como diz a atriz.

Gosto de “Novo Mundo” e acho bom o texto de Thereza Falcao e Alessandro Marson. Mas uma vez que a trajetória dos personagens históricos, como Dom Pedro e Leopoldina, já é conhecida, não seria o caso de procurar surpreender mais com o drama dos mocinhos?

É da tradição do folhetim, gênero do século 19 ao qual a telenovela paga tributo, a criação de situações deste tipo, construídas passo a passo, oferecendo ao espectador o prazer de adivinhar ou imaginar o que vai acontecer em seguida. Sempre foi assim.

Mas eu me pergunto se hoje, com tantas opções de boas séries ao seu alcance, com histórias engenhosas e surpreendentes, o espectador ainda se encanta ou tem prazer de ver um enredo se desenrolar exatamente como ele imaginou.

Muita gente defende que a novela é um gênero imutável. Tenho dúvidas. Estou aqui pensando alto, com muito mais dúvidas do que certezas. E aberto a ouvir opiniões sobre isso.

Suspeito que hoje em dia, confrontado com histórias que o desafiam e “enganam” a cada capítulo, como ocorre em qualquer boa série, o público tenha menos paciência com novelas que apostam neste modelo tradicional, em que o enredo vai se revelando exatamente como imaginamos.

É claro que nem todas as novelas atuais se subordinam a esse padrão. É nítido o esforço de vários autores em criar histórias ágeis, com rumos inesperados e situações não imaginadas pelo espectador.

“Avenida Brasil”, de João Emanuel Carneiro, é o primeiro exemplo sempre lembrado de novela adaptada aos dias atuais – ágil, repleta de ganchos e mudanças de rumo. Aguinaldo Silva é outro autor nitidamente preocupado em não deixar que o espectador preveja os passos de suas histórias.

Muitas novelas, de diversos autores, nos últimos anos, conseguiram isso. Cito uma, atualmente no ar: “Rock Story”, a trama das 19h30 da Globo.

Maria Helena Nascimento tem obtido êxito em fazer esta comédia romântica avançar com surpresas o tempo todo. É verdade que, em alguns momentos, apelou a truques muito batidos, como a falsa gravidez de Diana (Alinne Moraes), ou a tramas estapafúrdias, como a da secretária, Nanda (Kizi Vaz), que causou a separação de Gordo (Herson Capri) e Eva (Alexandra Richter).

Mas, nesta altura do campeonato, prefiro uma trama absurda em meio a uma boa novela do que uma previsível.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo