Blog do Mauricio Stycer

Vazio, Operação Mesquita recicla velhas ideias e aposta em assistencialismo

Mauricio Stycer

04/03/2017 19h36


Escondido nas madrugadas do SBT por mais de dois anos com um programa que ninguém assistia, Otavio Mesquita ganhou, finalmente, um prêmio do SBT – uma atração aos sábados, em horário bem melhor, às 18h15, e com o seu nome no título.

O único problema é que, assim como já ocorria com “Okay Pessoal”, o novo “Operação Mesquita” esbanja falta de criatividade. O programa recolhe ideias de vários outras atrações no ar e, pelo que se viu na estreia, parece não ter nada a dizer.

A primeira parte da “Operação” é batizada de “Rolê”. Mesquita convida uma celebridade para andar na garupa de sua moto. É o mesmíssimo formato de um sem número de programas e quadros em que famosos são entrevistados enquanto andam de carro – o grande diferencial é a motocicleta.

Na estreia, na falta de uma celebridade mais inspiradora, o convidado foi Danilo Gentili, apresentador do próprio SBT. Mesquita o levou a uma livraria, à escola onde estudou na adolescência e a uma lanchonete, onde sua mãe apareceu de surpresa.

A entrevista serviu para a promoção do filme “Como Se Tornar o Pior Aluno da Escola”, baseado em um livro de Gentili, que deve estrear este ano.

No momento mais engraçado, diante dos alunos da escola, Mesquita disse: “Eu sou o Amaury Jr. e ele é o Rafinha Bastos”. Após reencontrar colegas da infância, Gentili disse: “Temos uma lição a aprender. Todos eles estudavam muito. Eu não. Hoje eles estão me aplaudindo”.

A segunda parte da “Operação Mesquita” chama-se “Carona”. Dentro de uma van, onde instalou um estúdio móvel, Mesquita dá carona a pessoas comuns vivendo uma situação especial.

O convidado da estreia foi Vitor, um rapaz batalhador, que sonhava tocar na bateria da Unidos de Vila Maria. Em tom assistencialista, o apresentador presenteou Vitor com um surdo, depois o levou a uma gravação do grupo Pixote e mostrou o seu batismo na escola de samba, entre outros mimos.

Entre uma coisa e outra, ainda houve espaço para mostrar uma tentativa de entrevistar Xuxa. Sim, uma tentativa. Porque Mesquita não conseguiu entrevistar Xuxa.

Enfim, para quem imaginava que o apresentador iria aproveitar esta oportunidade com algo novo e interessante, foi uma decepção. O espectador do SBT merece mais.

Audiência: A estreia do novo programa de Otávio Mesquita registrou 4,3 pontos no Ibope, em São Paulo, deixando o SBT em terceiro lugar atrás de Globo e Record. No confronto com o “Cidade Alerta”, entre 18h19 e 19h14, “Operação Mesquita” registrou 4,3 pontos contra 7,3 pontos do programa policial da concorrente.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo