Blog do Mauricio Stycer

Dona dos direitos, Globo hesitou entre o drama e o show no Sambódromo

Mauricio Stycer

28/02/2017 16h10

A Globo voltou a enfrentar, na cobertura dos desfiles das escolas de samba do Rio, um velho problema que a aflige também na cobertura esportiva, particularmente em eventos cujos direitos de transmissão pertencem à emissora. Trata-se da hesitação que às vezes ocorre quando o evento se transforma em caso de polícia ou drama humano com graves implicações.

Diante de um acidente como o que ocorreu na madrugada desta terça-feira (28) com o carro alegórico da Unidos da Tijuca ou o da noite de domingo (26) com o veículo da Tuiuti, o jornalismo não tem dúvidas em relação ao que é notícia em primeiro lugar – as vidas humanas afetadas pelo acontecimento. Os dois acidentes deixaram 30 pessoas feridas, algumas gravemente. Não é pouca coisa.

Os repórteres da Globo no Sambódromo fizeram o seu papel nos dois casos e procuraram transmitir, da melhor forma possível, toda a gravidade dos acidentes. Mas, no estúdio, comandando a transmissão no Sambódromo, Alex Escobar e Fátima Bernardes lidaram mal com a batata quente.

É justo levar em consideração as muitas dificuldades envolvidas em uma cobertura ao vivo abalada por um acontecimento não previsto. Dou este desconto, mas ainda assim acho que a dupla poderia ter adotado uma postura mais assertiva.

Em vez de, simplesmente, esquecerem do desfile, e focarem exclusivamente no drama grave, ficaram tentando se equilibrar entre os dois mundos inconciliáveis – o da festa e o da tragédia – que aconteciam ao mesmo tempo por imposição da direção da Liga das Escolas de Samba.

No caso da Tijuca, até, em vários instantes, Escobar e Fátima pareciam mais preocupados em saber se a escola conseguiria atravessar a avenida a tempo, sem ser penalizada por atrasos. Ou se corria o risco de perder pontos em evolução e harmonia.

Em momento algum, por exemplo, os apresentadores sugeriram que os desfiles da Unidos da Tijuca e da Tuiuti fossem interrompidos para que se focasse no que realmente importava naqueles dois instantes. Ao menos, era o que o bom senso recomendaria, mas faltou ousadia e coragem no estúdio da Globo para alguém ventilar esta ideia.

O clichê de que “o show não pode parar” é conveniente só para quem tem interesses diretos no show.

Veja também
Desfiles de Carnaval no Rio de Janeiro tiveram 5 acidentes

E sobre a cobertura da TV
Fátima narra carro chegando no estúdio: “Vai bater! Vai bater! E bateu!”
Cinco provas de que o Carnaval na TV pode ser muito sem noção
Cinco provas de que Chico Pinheiro nasceu para narrar desfile de Carnaval
Cinco provas de que o Carnaval da RedeTV! é de outro planeta

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo