Blog do Mauricio Stycer

Em “Minha Estupidez”, Fernanda Torres procura suprir a “nossa estupidez”

Mauricio Stycer

minhaestupidezfernandaeubaldo
Depois de ter mentido por alguns anos, dizendo que havia lido “Viva o Povo Brasileiro”, Fernanda Torres encontrou um bom pretexto, em 2008, para enfrentar o catatau de 672 páginas: entrevistar o seu autor, o escritor João Ubaldo Ribeiro, para um novo programa, que ela própria idealizou.

A entrevista, na qual Ubaldo fala com bom humor sobre a sua sólida formação cultural, é a âncora do primeiro episódio de “Minha Estupidez”. O programa se completa com a encenação, debochada, de trechos do romance que tratam do apetite do “caboco” Capiroba (Evandro Mesquita), um canibal que fugiu dos jesuítas e voltou a se alimentar com o que mais apreciava – homens e mulheres brancos.

Ainda que tenha resultado muito boa, a entrevista não foi o suficiente para Fernanda Torres conseguir viabilizar o programa. Oito anos se passaram, e João Ubaldo (1941-2014) já havia morrido, quando, finalmente, a produção da Conspiração ganhou sinal verde.

O piloto com Ubaldo vai ao ar nesta segunda-feira, às 23h, no canal pago GNT. Com direção de Mini Kerti, foram realizados mais quatro episódios – com o cientista Antonio Nobre, a antropóloga Manuela Carneiro da Cunha, a ministra do STF Carmem Lucia e o cantor e compositor Caetano Veloso.

Assisti aos primeiros três episódios. No segundo, a alarmante conversa com Nobre, sobre desmatamento e aquecimento do planeta, é acompanhada pela encenação de trecho de “O Inimigo do Povo”, do dramaturgo norueguês Henrik Ibsen (1828-1906). E durante o terceiro, a entrevista com Cunha sobre a difícil situação dos índios brasileiros, é apresentado o mito da origem do homem branco segundo o povo Timbira, da tribo Kanela.

Em um texto enviado para jornalistas, a atriz escreveu sobre “Minha Estupidez”: “Eu me valho da minha ignorância, da curiosidade onívora e de uma certa franqueza, que me leva a admitir, em público, que não sei o que é solipsismo, nem quem são Melpomene e Thalia, além de confessar que passei três anos mentindo que havia lido ‘Viva o Povo Brasileiro’.”

minhaestupidezfernandaevandroA primeira cena de “Minha Estupidez” mostra Fernanda Torres diante de uma pequena estante que herdou do avô. Ela diz: “Esse programa nasceu desta estante aqui, de perceber que, por mais que eu tenha lido e amado os livros que eu li, eles se reduzem a isso aqui. Ou seja, nada perto do que existe pra se ler, se conhecer. Essa estante, de certa maneira, mede o tamanho da minha estupidez.”

Ela está sendo, obviamente, modesta. “Minha Estupidez”, na verdade, tem o desejo de suprir a “nossa estupidez” com conteúdo de bom nível. Nem sempre o resultado é de fácil consumo e, em alguns momentos, chega a ser maçante. Mas é uma proposta que merece atenção por esta ambição, quase incomum na TV brasileira, de oferecer um tipo entretenimento mais encorpado, sem apelação ou vulgaridade.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo