Blog do Mauricio Stycer

Frouxa, trama policial de A Regra do Jogo esquece 6 mortos e terá mais um

Mauricio Stycer

regradojogoorlandoarmaSpoilers divulgados nesta segunda-feira (07) dão conta de que nos próximos capítulos de “A Regra do Jogo” Orlando (Du Moscovis) vai matar um capanga da facção, acusado de traição. É um personagem sem nome, o Ruivo (vivido por Germano Pereira), que fingiu ser marido de Lara (Carolina Dieckmann) para enganar Dante (Marco Pigossi).

Em menos de 90 capítulos, será o sétimo assassinato na novela. O número não é alto em uma trama policial como “A Regra do Jogo”. O problema é que os outros seis crimes foram totalmente esquecidos. Nenhum personagem se lembra deles – nem a polícia, nem a tal facção, nem os parentes dos mortos.

regradojogodjaniramorteOs primeiros a morrer, em uma trama armada por Romero, foram o criminoso Dênis (Amauri Oliveira), que resolveu entregar segredos da facção, e o jornalista Dário (Alcemar Vieira), amigo do ex-vereador. Depois foi a mãe de Romero, Djanira (Cassia Kis), assassinada em meio a um tiroteio no Morro da Macaca, sem que os espectadores saibam, até agora, quem atirou.

Quem morreu em seguida, a mando da facção, foi Sueli (Paula Burlamaqui), amiga de Atena (Giovanna Antonelli). Outro integrante da facção, Paturi (Glicério do Rosário) também foi morto sob a acusação de entregar segredos da organização. E, por fim, o delegado Faustini (Ricardo Pereira) perdeu a vida por descobrir alguns segredos do grupo de criminosos.

Pelo menos dois destes crimes, o do jornalista e o do delegado, não seriam esquecidos da forma como ocorreu em “A Regra do Jogo”. Em ambas as situações, haveria enorme pressão da imprensa e da corporação policial para a investigação dos casos.

Toda a situação que levou Faustini à morte mostra bem como a trama policial de “A Regra do Jogo” é frouxa, mal desenvolvida e frustrante para quem é fã do gênero.

Com Dante, o policial mais ingênuo da polícia brasileira, fora de combate, o delegado resolveu investigar a facção por conta própria, sem tomar nenhuma precaução. Ele deu ouvidos a Juliano (Cauã Reymond) e conseguiu prender o Tio (Jackson Antunes).

regradojogofaustiniguerraDescobriu segredos, coletou documentos e resolveu confrontar outros criminosos com a cara e a coragem. Seu único confidente, o policial Guerra (Maksin Oliveira), revelou-se um infiltrado da organização criminosa. Assim, esbanjando ingenuidade, Faustini acabou enredado pelo grupo e foi assassinado.

Em defesa do autor, João Emanuel Carneiro, pode-se argumentar que o amadorismo de Faustini é uma crítica à ineficiência da polícia brasileira. Pode ser. Mas hoje em dia, tendo à disposição tantas séries policiais de qualidade na TV, é difícil para o espectador engolir uma trama tão mal costurada. “Vitória na guerra”.

Cenas de “A Regra do Jogo”

Cenas de “A Regra do Jogo”

#uolbr_tagAlbumEmbed(‘tagalbum’,’75862+AND+31015′, ”)

Veja também
Adulta, “A Regra do Jogo” reflete desencanto com a situação do país
Veja dez semelhanças entre “A Regra do Jogo” e “Avenida Brasil”
UOL Vê TV: “A Regra do Jogo” irrita o espectador com furos e incoerências

O blog está no Twitter e no Facebook.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Topo