Blog do Mauricio Stycer

Menos didática, “Patrulha Salvadora” é um bom filhote de “Carrossel”

Mauricio Stycer

patrulhasalvadora

Maior sucesso do SBT em anos, a novela infantil “Carrossel” deu origem a uma especíe de filhote, o simpático seriado “Patrulha Salvadora”, que a emissora começou a exibir neste sábado (11), às 20h30.

Parte do elenco da novela integra o novo programa. As crianças da Escola Mundial agora têm “super-poderes” e formam um grupo destinado a solucionar mistérios e salvar outras crianças.

Tão ingênua e infantil quanto a novela, a série tem a vantagem de ser menos didática e professoral, e também me pareceu mais bem produzida. Com vaga inspiração no desenho animado “Scooby-Doo”, “Patrulha Salvadora” também faz uso de efeitos digitais e, a julgar pelo primeiro episódio, tem ótimo ritmo.

A emissora já produziu duas temporadas de 13 episódios para exibição semanal, aos sábados. Se fizer sucesso, mais episódios serão encomendados. A série é escrita por Íris Abravanel e dirigida por Ricardo Mantoanelli.

Exibida entre 21 de maio de 2012 e 26 de julho de 2013, “Carrossel” voltou a ser apresentada no início de setembro do ano passado, mas logo o SBT desistiu da ideia e tirou a novela do ar. Em comunicado divulgado na época, a emissora prometeu reprisá-la em 2014.

Em tempo: “Patrulha Salvadora” marcou 7 pontos na estreia, segundo dados prévios do Ibope.

Leia também
Com atores de “Carrossel”, série “Patrulha Salvadora” estreia no SBT
Crianças usam superpoderes e bugigangas para combater vilões em nova série
SBT reconhece o fracasso da estratégia de reprisar “Carrossel”

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 
Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Topo