Blog do Mauricio Stycer

"O Rio civiliza-se"

Mauricio Stycer

Abaixo, uma primeira avaliação que fiz da nova novela das 18h, da Globo,  publicada originalmente no UOL Televisão.

“Lado a Lado” tem bom tema, ótima vilã, mas ritmo suave demais

Tradição no horário das 18h, a “novela de época” está de volta à grade da Globo, agora com uma história ambientada num período muito rico e inspirador, a chamada “Belle Époque Tropical”.

“Lado a Lado” se passa no Rio, nos primeiros anos do século 20. O desafio inicial parece ser o de introduzir não apenas os personagens da trama, mas o quadro de transformações políticas, econômicas e culturais do período.

Sem recorrer a um didatismo primário, a novela está conseguindo apresentar este interessante painel, cujo pano de fundo principal é a adaptação da elite aos novos rearranjos promovidos pela República e pelo fim da escravidão.

Igualmente, “Lado a Lado” está sendo hábil ao incorporar ao enredo a importante reforma urbana, o chamado “bota abaixo”, promovida pelo prefeito Pereira Passos, que buscou alargar avenidas, reduzir as doenças tropicais e deu início à favelização da cidade.

Falta, ainda, rir um pouco mais claramente da macaqueação dos hábitos e costumes estrangeiros. Como se sabe, o lema do período era “O Rio civiliza-se”. Tudo que vem da Europa é bom. Os cariocas usam roupas totalmente inapropriadas para o clima tropical porque é assim que os europeus se vestem. A cultura que interessa é a francesa. O futebol chega da Inglaterra. E assim por diante.

Como em outras produções do gênero, há uma nítida preocupação em “Lado a Lado” de retratar não apenas a realidade da elite, mas também a das classes mais humildes e subalternas.

Mais que isso, o bom texto dos estreantes João Ximenes Braga e Claudia Lage tem buscado, desde o início, promover o encontro – e o choque – destes dois mundos.

Na melhor cena da novela até agora, Isabel (Camila Pitanga), filha de escravos, e Laura (Marjorie Estiano), a filha de ex-aristrocatas, se encontraram na igreja no dia do casamento de ambas. A primeira esperava o noivo, Zé Maria (Lazaro Ramos), sem saber que ele estava preso e a segunda ignorava que o seu, Edgar (Thiago Fragoso), não queria mais se casar.

Por conta, imagino, das dificuldades de transportar o espectador a um lugar que ele conhece mal, o desta Belle Époque Tropical, “Lado a Lado” adotou um ritmo suave, para não dizer lento, que pode estar assustando quem se acostumou ao início eletrizante de outras tramas recentes da Globo.

Passados oito capítulos, a novela ainda não “pegou”. Não vejo isso como defeito, mas acho que pode estar incomodando a quem monitora os índices de audiência.

Como muitos críticos já observaram, além do bom texto, da inspiradora trilha sonora, a produção de “Lado a Lado” é de excelente qualidade. O mesmo eu não diria da direção, que exibe mão pesada em muitas cenas – a briga dos capoeiristas com a polícia na ocupação do cortiço onde Isabel vivia, por exemplo, foi constrangedora.

Entre os atores, Patrícia Pillar é, de longe, a maior atração até o momento. No papel de Constância Assunção, a ex-baronesa em luta para recuperar o prestígio e o poder que tinha na monarquia, a atriz está construindo uma vilã que tem tudo para ser antológica.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo