Blog do Mauricio Stycer

Mais que Copa do Mundo

Mauricio Stycer

Acompanhando a programação da Globo na quarta-feira, escrevi que o tratamento dado à decisão da Libertadores foi digno de uma Copa do Mundo. Na verdade, os números de audiência registrados pela transmissão da partida entre Corinthians e Boca mostram resultado superior ao alcançado pela emissora na estreia da Copa de 2010. Como observou o jornalista Lauro Jardim, no dia de Brasil e Coréia do Norte, a Globo marcou 45 pontos no Ibope, contra uma média de 48 na noite desta quarta-feira.

O texto em que comentei a transmissão da partida, bem como a programação da emissora durante o dia, foi publicado no UOL Esporte  e está reproduzido abaixo

Globo deu tratamento de final de Copa do Mundo ao jogo

Sem os direitos de transmissão da Libertadores na TV paga, pertencentes ao canal Fox Sports, nem o dos Jogos Olímpicos de Londres, adquiridos pela Record, a Globo viu na decisão do torneio continental, disputada por uma das equipes mais populares do país, uma rara oportunidade para dar show em 2012. E deu.

A partida entre Corinthians e Boca Juniors mereceu, em São Paulo, tratamento digno de final de Copa do Mundo. “Uma final histórica”, resumiu Christiane Pelajo, apresentadora do “Jornal da Globo”.

A emissora tratou da partida em toda a sua programação – inclusive no intervalo das novelas – nesta quarta-feira.

O jogo “começou” no “Bom Dia São Paulo”, às 6h30 da manhã, prosseguiu no “Bom Dia Brasil”, engrenou no “Mais Você”, com Ana Maria Braga, avançou no “Encontro com Fatima Bernardes”, e prosseguiu numa edição conjunta do “SPTV” com “Globo Esporte”.

O mais novo programa da emissora, aliás, esteve irreconhecível, mais com cara de “Central da Copa”, com Fatima no papel que coube a Tiago Leifert, entrevistando atores, torcedores e chamando reportagens na rua sobre o jogo. O investimento valeu a pena – a audiência do “Encontro” deu um salto em relação às edições mais recentes.

No “Hoje”, e depois com flashes durante toda a tarde, além de noticiário caprichado na segunda edição do “SPTV”, o pré-jogo da Globo conseguiu passar o clima que, de fato, transformou a cidade de São Paulo nesta quarta-feira.

A transmissão da partida, propriamente, não surpreendeu. Com a mesma equipe que atuou nos principais jogos decisivos do Corinthians – Cleber, Caio, Casagrande e Arnaldo – foi aquele festival de clichês de sempre.

Em resumo, críticas à “catimba” argentina (Arnaldo), elogios ao “barulho ensurdecedor” da Fiel (Cleber), a nítida dificuldade de emitir uma opinião (Caio) e um ou outro comentário mais ousado ou engraçado (Casagrande).

Quando o goleiro titular do Boca deixou o gramado contundido, Casagrande animou-se. Afinal, disse, o substituto “não é titular por algum motivo”.

Aos 43 minutos do segundo tempo, o Corinthians vencendo por 2 a 0, Cleber soltou um “tá chegando a hora” e Casão, emocionado, disse que, pela primeira vez, desde que deixou os gramados, em 1994, sentia vontade de estar no gramado. Puro Corinthians.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Topo