Blog do Mauricio Stycer

Fora do tom, Galvão exagera no patriotismo e não admite erro

Mauricio Stycer

O tradicional misto de desinformação com patriotismo de Galvão Bueno atingiu um nível acima do habitual na transmissão do amistoso entre Brasil e Argentina na tarde de sábado.

Num dos últimos lances da partida, depois de Marcelo agredir Lavezzi e ser expulso, Galvão, Arnaldo Cesar Coelho e o repórter Tino Marcos tentaram livrar a cara do brasileiro, mas foram surpreendidos pelo depoimento do próprio jogador. “Perdi a cabeça“, disse Marcelo, calando a equipe da Globo, que criticou a decisão do árbitro.

Pouco antes do quarto gol da Argentina, quando Messi sofreu e bateu uma falta na entrada da área do Brasil, Galvão observou que o argentino ajeitou a bola um pouco para trás, de maneira a ganhar mais espaço, um expediente que qualquer jogador, se puder, adota. “Messi foi esperto'', disse Arnaldo. “Esperto, não. Foi fora da lei do esporte'', retrucou o narrador, totalmente fora do tom.

Galvão também deu uma informação errada sobre Oscar, dizendo que foi formado no Internacional, e não admitiu o erro quando foi corrigido por Mauro Naves, que lembrou a verdadeira origem do jogador, o São Paulo.

Como já havia ocorrido antes, Galvão evitou falar que a seleção está em preparação para os Jogos Olímpicos de Londres. Referiu-se várias vezes a “time de meninos” e “garotada” do Brasil. Coube a Casagrande referir-se à “seleção olímpica” em diferentes ocasiões.

Quando a Argentina já vencia por 4 a 3, aos 43 do segundo tempo, Galvão finalmente lembrou que o time brasileiro era uma “seleção olímpica”. Como se sabe, a Globo perdeu os direitos de transmissão dos Jogos de 2012 para a Record.

Em tempo: Um relato da partida pode ser lido aqui: