Blog do Mauricio Stycer

Globo fez a opção mais lógica ao não exibir luta ao vivo

Mauricio Stycer

Por culpa de uma estimativa mal feita, a Rede Globo se viu diante de uma escolha de Sofia* na noite de sábado: interromper a transmissão de “A Casa das Coelhinhas” para exibir a luta de Junior Cigano ou esperar o fim do filme e mostrar um VT do UFC?

Qualquer uma das duas opções implicaria em desrespeito a uma parcela do público. A emissora optou pelo que me parece ser o mais lógico: seguir com o filme até o final e mostrar a luta 35 minutos depois de ela ter ocorrido em Las Vegas.  

Errou quem fez a estimativa da duração das demais lutas do UFC 146. Disputadas em até três rounds, a maior parte das lutas terminou no primeiro, acelerando a noite. Quando chegou a hora do principal evento do programa, a disputa entre Cigano e Frank Mir, “A Casa das Coelhinhas” ainda não tinha terminado.

A transmissão de qualquer evento esportivo cuja duração é indeterminada sempre produz dor de cabeça para emissoras de TV aberta com grade rígida. Basquete e vôlei causam dificuldade e tênis é, praticamente, impossível de exibir por conta disto.

Ainda novata nas transmissões do UFC, a Globo se atrapalhou e acabou se queimando com o ruidoso público que é fã do esporte. Além de ter perdido a chance de mostrar a luta no momento em que ocorreu, o narrador Sergio Mauricio (com Minotauro na foto) ainda cometeu o pecado de, ao iniciar a transmissão, dizer que estava “ao vivo”.

* No filme “A Escolha de Sofia”, que deu a Meryl Streep o Oscar de melhor atriz em 1983, a personagem principal, uma mãe polonesa, presa num campo de concentração, é obrigada por um soldado nazista a escolher um de seus dois filhos para ser morto.

Foto Zuffa