Blog do Mauricio Stycer

Jerusalém de Roberto Carlos é uma cidade cenográfica

Mauricio Stycer

Do ponto de vista musical, “Roberto Carlos em Jerusalém” é um marco na carreira do Rei. Aos 70 anos, o cantor mostrou vitalidade, mudou o repertório que vinha repetindo há anos e arriscou-se em inglês, italiano e, até, em hebraico. Além disso, o carisma segue intacto, assim como a capacidade de emocionar gregos e troianos, e o vozeirão  espetacular.

O que não me convenceu no show foi a intenção de criar “tantas emoções” em Jerusalém. “Cantar é uma forma de oração”, disse Roberto Carlos logo no início do programa exibido pela Globo na noite de sábado.

Para um cristão fervoroso como ele, Jerusalém é uma cidade-símbolo, assim como é para judeus e muçulmanos. “Jerusalém da humanidade”, disse o Rei. Mas como transferir essa carga de símbolos para um espetáculo musical?

Os responsáveis por “Roberto Carlos em Jerusalém”, seu empresário, Dody Sirena, e o diretor Jayme Monjardim, da Globo, optaram por um formato asséptico, livre de polêmicas, que resultou absolutamente sem vida.

As visitas de Roberto Carlos ao Santo Sepulcro, ao Monte das Oliveiras e ao Muro das Lamentações, vistas pelo espectador, pareciam publicidade de agência de viagem. Sem som ambiente, sem contato com a gente do lugar, sem “emoções”, enfim, o périplo do cantor por Jerusalém deu a impressão de que estava numa cidade cenográfica.

Impressão, aliás, reforçada pelo cenário do palco onde ele se apresentou. Roberto Carlos estava em Jerusalém, mas podia estar no Projac. Não faria a menor diferença. O Rei cantou numa Jerusalém idealizada, sem conflitos, sem vida. Uma cidade dos sonhos – dele e de seus fãs.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 
Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Topo