Blog do Mauricio Stycer

"Assalto ao Banco Central" é um filme de ação sem ação nem informação

Mauricio Stycer

28/07/2011 10h15

Em cartaz nas melhores salas do país, “Assalto ao Banco Central” conta a história de um grupo de criminosos reunidos para organizar um roubo genial. A edição mescla cenas da preparação com detalhes do que aconteceu depois –a perseguição que sofreram por parte de um delegado da Polícia Federal e sua assistente, além da extorsão praticada por dois policiais corruptos.

Histórias sobre grandes golpes ou assaltos geniais formam um subgênero, dentro de “filmes de ação”, em Hollywood. Há dezenas e dezenas de bons títulos com este mote à disposição do público. Marcos Paulo poderia ter usado qualquer um como inspiração para o seu “Assalto ao Banco Central”. Se usou, não dá para notar.

A opção de alternar presente e passado com agilidade acaba com qualquer possibilidade de suspense. A ação, em si, também dilui-se, transformando “Assalto ao Banco Central” num raro filme de ação sem ação.

Já que abriu mão do suspense e da ação, seria justo imaginar que Marcos Paulo ambicionasse fazer um thriller psicológico ou político, disposto a desvendar a alma dos seus assaltantes, ou expor as mazelas da polícia, do crime organizado e do país. Nada disso também se vê na tela, além da caricatura.

Ironia e humor também são matérias ignoradas ou tratadas com mão pesada. A relação da investigadora (Giulia Gam) com outra mulher é um tema paralelo, incluído de forma grosseira no filme. O estilo “old school” do delegado (Lima Duarte) até tem alguma graça, mas o ator desperdiça as melhores frases com uma interpretação no piloto-automático.

O diretor não tinha, de fato, obrigação de ser fiel aos acontecimentos relacionados ao maior assalto da história do Brasil. Mas a sua versão, além de pobre, está longe de produzir bom entretenimento.

O único mérito de “Assalto ao Banco Central” é despertar a curiosidade para o que, de fato, ocorreu. Recomendo, neste caso, o livro “Toupeira”, do ex-investigador da Polícia Civil de São Paulo, hoje advogado, Roger Franchini.

Com base nos autos do processo aberto em Fortaleza, nos diferentes depoimentos e nas informações que recolheu pessoalmente, Franchini descreve uma história impressionante e aterradora.

Em primeiro lugar, mostra claramente o papel da organização PCC na montagem da operação. Descreve em detalhes como foi feito o assalto, aponta os erros dos criminosos e, especialmente, torna pública a versão dos condenados sobre as diferentes extorsões que sofreram.

Franchini conta que, até 2008, 122 pessoas foram presas, outras 120 foram denunciadas e 18 foram condenadas. Dois acusados morreram antes da sentença, “em circunstâncias que envolviam sequestros por policiais civis ou militares”. Dos R$ 170 milhões roubados em 5 de agosto de 2005, apenas 35% foram recuperados.

Enfim, um roteiro muito mais interessante e com mais suspense do que o de “Assalto ao Banco Central”.

Em tempo: Este texto foi publicado originalmente no UOL Notícias, onde você pode encontrar links relacionados ao assalto. Trailer, fotos, ficha técnica e outra crítica podem ser vistos aqui no UOL Cinema.

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).
Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Topo