Blog do Mauricio Stycer

Ex-usuário defende a forma como “Passione” apresenta viciado

Mauricio Stycer

Reproduzi na semana passada a reclamação de um “pai revoltado” sobre a forma como Silvio de Abreu tem abordado a questão das drogas em “Passione”.  Segundo o leitor, um experiente professor, com formação em Química, a novela presta um mau serviço ao não mostrar que tipo de droga o personagem Danilo, vivido por Cauã Reymond, utiliza. O leitor também criticava o fato de a novela enfatizar apenas os efeitos negativos das drogas, mas não expor o prazer inicial que proporcionam.

O texto provocou uma série de comentários muito interessantes (publicados na versão anterior do blog). Também recebi muitos e-mails, com elogios e críticas ao autor da mensagem, e alguns depoimentos. Uma mãe me escreveu sobre o drama de ter um filho em casa viciado em crack. Segundo ela, o retrato pintado por Silvio de Abreu na novela é perfeito. “Pela descrição que vi sobre a trajetória do personagem Danilo, posso assinar embaixo que é exatamente o que vivi com meu filho”, escreveu. E mais:

Não acredito que a alegria momentânea reverta o quadro geral, que é a grande tragédia do usuário de drogas!  Acho até que pode-se falar do prazer, sim, ao consumir a droga, mas já o fato de mostrar a que ponto chega o usuário e sua família é realidade e peso suficiente para que as pessoas consigam perceber ao menos um pouco do tamanho da encrenca!!!

Também recebi um e-mail de um ex-usuário de drogas, “limpo” há dez anos, cujo depoimento veio, igualmente, em apoio à forma como a questão das drogas está sendo abordada na novela. Com seu consentimento, reproduzo trechos:

Na verdade, a questão de mencionar as drogas é o que menos importa. Eu tinha a minha ‘droga de preferência’. Digamos que eu seja um dependente ativo, aí estou vendo o Danilo se ferrando e tal e coisa, de repente vejo a droga que ele está usando, cara, toda a identificação que eu teria, se a droga não for a mesma, desaparece. O co-dependente (familiar) não percebe isso, mas nós, adictos em recuperação, temos um trabalho muito sério dentro da irmandade anônima sobre isso.

Existe o IP (informação ao público) que vai falar para escola, profissionais, enfim em todo lugar que não se refere aos doentes (adictos) e temos o HI (hospitais e instituições), aonde servi por muitos anos no começo da minha recuperação, e vamos falar com pessoas que tem problemas com drogas. Não falamos em tempo de uso e nem sobre drogas usadas, para não plantarmos diferenças. A semelhança está no sentimento, nas atitudes, no desespero, no roubo para mais uma, enfim…

Eu vejo o Danilo na novela e consigo me identificar com ele mesmo sem saber o que ele usa e há quanto tempo ele usa. Talvez se eu souber o que seja eu posso perder minha identificação. A abordagem está muito boa. Pois não centraliza num único aspecto. Ali pega tanto o dependente de cocaína (quando ele funga) quanto o dependente de maconha (quando ele fica lesado) quanto o de crack, quando ele vai pra beco, quanto os de bolinha, quando ele toma comprimido. O trabalho tem que ser feito no sentimento e atitudes e não na droga…

Por tudo isso, o leitor não gostaria que Danilo venha a ser visto na novela como um viciado em crack, como anuncia-se que ocorrerá. Conclui ele:

Gostaria muito que, se realmente pensam em colocar que ele está dependente de crack, que revogassem essa idéia. Pois aí o que está ajudando iria atrapalhar…

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na “Folha de S.Paulo''. Começou a carreira no “Jornal do Brasil'', em 1986, passou pelo “Estadão'', ficou dez anos na “Folha'' (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o “Lance!'' e a “Época'', foi redator-chefe da “CartaCapital'', diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros “Adeus, Controle Remoto'' (editora Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e “O Dia em que Me Tornei Botafoguense'' (Panda Books, 2011).

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Blog do Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Topo